domingo, 16 de dezembro de 2007

MEU DEUS!!! EXISTEM NEGROS GAYS...

Há alguns anos atrás a televisão era considerada um programa para toda a família. Uma família careta, sentada em frente à TV, sorridente, divertindo-se com seu programa de auditório favorito, ou desenho favorito, ou acompanhando a novela que mais gostava. Uma diversão para todos. Pois bem, a TV não é mais assim faz um bom tempo. De uns anos pra cá, os programas de tv (especialmente os seriados) vem ficando mais ousados, com historias que estão longe de serem mascaradas pelo conflito clichê do “vilão/mocinho”, são histórias mais reais, com personagens que se aproximam muito de mim, de você. Onde se imaginaria ver, num seriado de TV, o dia a dia de presos, desvendando totalmente sua intimidade, suas fúrias, paixões, seu lado humano e brutal como vimos em OZ? Antigamente isto era impossível. Mas parece que com a injeção de seriados como Arquivo X, Friends e Plantão Médico, a TV – especialmente a norte americana – vem ficando cada dia mais ousada e mais real.

A tv hoje fala sobre sexo, abertamente. Nip/Tuck, OZ, Sex and the City, Roma, A Sete Palmos, Os Assumidos, Família Soprano, Donas de Casa Desesperadas, Noah’s Arc, The L Word, Will & Grace se não expõem a sexualidade como tema central, falam de sexo abertamente explanando com seriedade temas como pedofilia, incesto, estupro, exploração sexual. Os tabus televisivos parecem que foram quebrados. A televisão norte americana fala sobre o tema antes proibido com tanta autoridade que se habilita a mostrar um mundo que antes era totalmente tabu no horário nobre: o mundo gay.

Os gays invadiram a televisão norte americana, para a ira das associações mais tradicionalistas e para o pavor das instituições religiosas, principalmente as cristãs. Os novos seriados expõem personagens homossexuais, longe do estereotipo da “bicha louca que serve como palhaço para provocar gargalhadas heterossexuais”. São personagens que sofrem, riem, brigam, tem defeitos, choram, amam, mas definitivamente não são bufões. Um fator importante deve ser notado nesta transformação televisiva: além dos personagens não serem meros fantoches, eles transam sem rodeios. Em séries como A Sete Palmos, Noah Arc, The L Word eles vivem desilusões amorosas, paixões, transas fortuitas e falam sobre suas vidas sexuais abertamente. Além disso, nas séries é discutida também a visão que a sociedade heterossexual exerce sobre eles, os conflitos, as várias formas de homofobia e um contra discurso construído pelos personagens para se defender da homofobia.

Mas este “bum” de sexualidade gay na tv nossa de cada dia, desconstrói estereotipos e edifica outros. A maioria dos seriados expõem gays com beleza padrão, com corpos perfeitos, bem sucedidos na suas carreiras profissionais, masculinos, na sua maioria são bem de vida e brancos... Destas tantas que citei, algumas vão mais a frente, expondo um modelo diferente de sexualidade homossexual como Noah’s Arc, A Sete Palmos, The L Word e OZ. Todas elas apresentam gays negros entre seus personagens, sendo que uma delas eles representam a maioria dos personagens. Noah’s Arc pode ser encarada como uma espécie de Sex and the City para gays afro-americanos e conta a historia de Noa um aspirante a roteirista de cinema que tenta encontrar sucesso na vida amorosa e na vida profissional. Ele é acompanhado pelos seus amigos Alex, Chance e Ricky. Cada um com uma personalidade, um caricato, um outro galinha, um romântico e outro centrado. Serve para ilustrar que dentro das categorias sexuais os sujeitos não são estáveis e que há diversidade em uma mesma orientação sexual.

Além dos personagens do Noah’s Arc existem outros como em The L Word, seriado corajoso sobre a vida de lésbicas, em que uma das personagens é negra. Em OZ a homossexualidade de alguns presos é exposta totalmente, existindo aqueles que são encubados e fazem suas práticas as escondidas, outros são abertos, outros que expõem sua sexualidade de forma violenta através de estupros... E o caso de A Sete Palmos... série aclamada pela critica, ganhadora de inúmeros prêmios, criada pelo roteirista de Beleza Americana Allan Ball, que no meio de personagens tão excêntricos há um policial negro gay muito bem resolvido chamado Keith Charles. O personagem do ator Mathew St. Patrick, namorado de um dos personagens principais coloca a identidade “no armario” de seu companheiro em xeque a cada vez que os conflitos ficam mais abertos. Na série a “narrativa da revelação” é confrontada com uma outra totalmente resolvida e que enfrenta a homofobia de frente. Em alguns episódios, a trama centra-se completamente na sexualdiade dos personagens, mesmo que o tema central da série, na verdade, seja a morte.

Evidenciar que existem gays negros não serve somente para quebrar valores da comunidade LGBTT e evidenciar que existem negros homossexuais que vivem afastados do mito do “Deus de fome sexual ininterrupta”, que só é convidado para o mundo gay branco de classe média urbano na hora de satisfazer suas exigências sexuais. Estas séries servem também para trazer a superfície um tipo de masculinidade diferente da negra heteronormativa.

Por que o modelo de masculinidade negra presente em séries do mercado negro (norte-americano, brasileiro, ou seja de que lugar for...) é o modelo heteronormativo। Sempre a família negra correta, politicamente correta, ou de personagens negros fortes, corajosos, que detém a atenção das mulheres pela sua bravura e fazem tudo pela família... Prison Break, Everybody Hates Chris, 24 Horas são alguns exemplos. Aqui o negócio não é muito diferente, Cidade dos Homens e Antonia não figuram diferente da cartilha americana de tipos negros heterossexuais.

Assistir a televisão hoje não é mais um exercício careta. Enxergamos a diferença no ato e estas séries que falei mandam o politicamente correto para as cucuias, pois este tipo de posicionamento nunca nos levou a lugar algum... Sabemos todos que a televisão brasileira (e suas novelas e seus personagens negros, gays, ou negros/gays) chega a ser muito mais hipócrita que a real sociedade em que vivemos. Existe uma salvação, a tv a cabo ou as caixas de dvds que aportam em todas as lojas do país, ou ainda se você tiver paciência para esperar, baixar na NET todas as séries de uma só vez. Não digo que a solução é trocar uma televisão por outra, pois a deles também não é grande coisa... Mas se a nossa está preocupada com a audiência tradicional e não sentiu ainda que o DIFERENTE traz muito mais ibope, fazer o que?...

4 comentários:

alex disse...

É necessário a construção uma visibilidade gay negra no brasil, para a descontrução do imagético cultural hetero aparente, é lamentavel que a comunidde gay brasileira ABGLT junto com a sociedade cívil organizada tenha realisado pequenas discussões e quando há projeto de inclusão para gays afro decedentes no brasil servem de instrumento para a captação de recursos para estas ongs e instituição governamental, sevindo apenas de instrumento de massa de manobra para estas instituição, temos que na verdade criar controle social sobre as ongs e dar início a um processo de contrução de políticas públicas para gays afro brasileiros, e de fato cumprir o exercício de cidadania no estado democrático de direito.

babilet disse...

Primeiro, é uma honra ter um amigo que escreve tão bem e abre um blog com discussoes que são extrmamente necessárias. Em segundo lugar a televisão infelizmente ainda possui em seus programas os aspectos mais alienantes possíveis, talvez, seja um jogo duplo de mídia e massa. Digo isso, porque existe um sistema que escolhe os programas mas esses programas são aceitos pela população.
Pergunto: E isso tem jeito?
Acho que tem jeito sim, porém, o processo será lento, pois esses programas que trazem uma visão mais real e humana sobre a homossexualidade, não fazem parte dos canais assistidos pela população de massa, que ainda está acostumada com os esteriótipos das bichas loucas, que aparecem na TV.
Interessante é que, hoje mesmo estava assistindo um programa que é lider em audiência o "Se LIga Bocão" que passa na TV SBT e tinha um homossexual com um shortinho lascadinho querendo o Holifield e ele disse que ia dar porrada nela e que o negócio dele era mulher, e disse para que todos ouvissem que se pegasse aquela bicha na rua ia encher de porrada.
O que mais me impressiona é que todo mundo inclusive o imbecil do apresentador deu muita risada. Pergunto outra vez até quando vamos permanecer com essa ignorância?

Neuminha disse...

Amei o texto Lipe!
Denso, inteligente, necessário...
Como tudo que escreve na verdade!!!
Tava esperando alguma coisa sobre esse período de festas já que vc tinhad ado uma pincelada sobre o assunto no post anterior!
DEsejo um 2008 repleto de realizações pra vc!!!
Beijão!!!

Agnaldo Neiva disse...

Seguindo a deixa de babilet, é uma honra ter um amigo virtual que escreve sobre um tema que é melindroso e polêmico, com uma sutileza que nos faz perceber como estamos chegando perto de uma sociedade que terá que conviver com a diferença. Importa pra nós, começar a questionar nosso padrão televisivo. Como esta squestões podem impactar as relações entre as pessoas. As famílias saberão tratar de coisas que até o momento ainda são tabus..... ora, esse é Harpo, e me orgulho de ser seu amigo virtual. Agnaldo Neiva.